Monday, 13 October 2008

reviver o passado

De vez em quando acontece-me,sobretudo quando certos temas vem à conversa,ou quando vejo determinados filmes,ou quando oiço determinadas músicas,quando olho para certas fotos,quando leio determinados textos que escrevi(em diários,cartas,poemas,...) num passado não muito distante,enfim,quando certas acções, consequentemente, me levam a remexer nas recordações de uma relação afectiva e amorosa de um passado recente,muitas dúvidas invadem subitamente a minha mente.
Dúvidas essas que ficam a pairar na minha mente e para as quais não encontro uma resposta satisfatória e indubitável.
Acho que não consigo dar resposta a essas questões se não puder confrontar-me directamente com o destinatário destas questões.
Tipo,posso perguntar-me: Já não sinto nada por ele,além da amizade?Posso dizer que não,que não sinto,mas eu sei lá como vou sentir-me na presença dele,se estiver com ele mais do que um par de horas?
Ou então:Será que é possível esquecer-se um grande amor,quem sabe o grande amor da sua vida assim de um momento para o outro (como eu creio que aconteceu comigo,mas que sempre que revivo o passado ponho em questão se realmente foi isso que aconteceu,que esqueci e pronto,ou se realmente me deixei abater à primeira decepção e me acomodei e acabei por recalcar um sentimento que afinal de contas permanece escondido e continua a dar sinais de vida bastante fortes de vez em quando)?
Tenho realmente a sensação que respostas a estas minhas questões e inquietações só as poderei encontrar,de forma desambígua(esta palavra existe??),num frente a frente,num encontro a dois,em que realmente me possa confrontar com aquilo que ainda sinta por ele,testar-me e testá-lo,saber até que ponto as borboletas na barriga se manifestarão,bem como o ritmo cardíaco e etc e tal.
Sou realmente uma pessoa cheia de dúvidas às vezes.

2 comments:

Cromossoma X said...

Essas dúvidas são tão normais... penso que as teremos sempre pela vida fora, "será que este passo foi bem dado", "será que foi a decisão mais correcta?"... só o tempo o dirá. Mas enquanto certezas novas não chegam, o limbo é um estado injusto, que magoa e causa sempre mais incertezas do que convicções...

O que vale é que tudo passa com o tempo...pelo menos é o que digo a mim própria!

Cromossoma X said...

(continuando...)

um beijinho querida, segue o teu coração e concerteza serás feliz...